Conheça os benefícios da luminária de emergência

Posted by John Doe 18/11/2019 0 Comentários

 

A função da luminária de emergência é evitar acidentes e incômodos em situações em que a luz de locais com baixa visibilidade é interrompida. Uma fonte de luz de emergência garante que as pessoas consigam acessar a saída do local com segurança, uma vez que elas podem enxergar o caminho com facilidade.


A luminária de emergência pode ser instalada em condomínios, prédios, empresas, indústrias, sendo mais usada em ambientes maiores e que recebem um significativo fluxo de pessoas, onde situações de ausência de luz ou acidentes podem causar pânico e acidentes.


Nas residências, um exemplo é colocá-la em corredores, escadas, no quarto das crianças ou de idosos, na cabeceira da cama como luz de leitura, na dispensa e em áreas externas como piscinas ou jardins.

 


Como funciona


A luminária de emergência possui uma bateria interna recarregável e, dessa forma, seu sistema de iluminação é acionado automaticamente quando há falta de iluminação elétrica no ambiente. Resumidamente, funciona assim: a luminária fica conectada na tomada e com a interrupção de energia, ela acende. 


Isso influência na vida da carga da bateria, já que vai consumir mais ou menos quando for acionada. Para garantir que ela funcione sempre que necessário, é preciso garantir que ela esteja sempre carregada. Para fazer o carregamento da bateria, coloque no modo “desligado” e aguarde de 24 a 48 horas. Esse tempo varia de acordo com voltagem do aparelho, por isso cheque nas especificações do produto. Alguns aparelhos modernos facilitam esse processo indicando quando a luminária carregou completamente.  


A bateria só ficará descarregada após o acionamento da iluminação de emergência, que vai ocorrer em casos de queda de luz. É importante que você recarregue a bateria depois disso, para garantir seu funcionamento quando necessário. Outro detalhe importante de saber é que a bateria não é consumida enquanto a luminária está conectado na tomada e apagada.

 


Modelos de luminárias de emergência


O tipo de luminária de emergência que você vai escolher e a sua potência depende basicamente do tamanho do espaço que precisa ser iluminado, ou seja, se vai precisar de uma iluminação simples ou mais potente. A intensidade da iluminação é medida em lux, que é a relação da quantidade de lúmen (unidade de fluxo luminoso) por m² do espaço a ser iluminado.

 

Segundo a norma técnica ABNT NBR 10898, existem basicamente três formas de iluminação de emergência: 


Sinalização Saída LED

 


A Placa de saída autônoma é uma das sinalizações mais importante pois indica a saída mais próxima, facilitando o escoamento das pessoas em casos de emergência. Com iluminação em LED e funcionalidade autônoma (Acende automaticamente em quedas de energia), proporciona segurança em qualquer situação de risco. São utilizadas mais para saídas de cinemas, bares, restaurante, podendo ser usadas também nas escadas de grandes prédios. 


Blocos autônomos

 


Indicados para ambientes maiores possuem um fluxo luminoso (Lúmens) maior. Estes equipamentos chegam a iluminar aproximadamente 400m², como galpões, condomínios, garagens, escadas, saídas de emergência entre outros. Com baterias de grande durabilidade proporcionam o alto índice luminoso em casos de queda de energia, auxiliando também na saída de emergência.


Esse tipo de iluminação tem como função conseguir iluminar o piso, sendo obrigatória em lugares de circulação vertical ou horizontal, com saídas para o exterior do local. Para colocar essa iluminação em locais com desnível, como as escadas, são recomendados no mínimo 5 lux. Isso significa que para um ambiente de aproximadamente 57m², por exemplo, o ideal é usar uma luminária com 288 lúmens. Já para iluminar locais planos, como corredores e halls, são recomendados 3 lux. Uma luminária com 288 lúmens, por exemplo, tem uma cobertura de 96m².


Luminária de emergência

 


Com baixo custo e fluxo luminoso (Lúmens) menores, as luminárias de emergência são ideais para condomínios que necessitam de economia. 


Ela deve indicar as mudanças de direção, obstáculos e saídas. A indicação é que o produto tenha pelo menos 30 lúmens nesses casos.


As luminárias de emergência podem ser compostas por lâmpadas fluorescentes ou de LED. O modelo mais indicado para compra é a luminária de emergência de LED. Ecologicamente correta, ela possui ainda excelente durabilidade, sendo mais econômica a longo prazo.


Porém, este equipamento também é bastante útil quando é preciso contar com uma luminária portátil. Depois de completamente carregada, a luminária de emergência pode ser levada para onde não há fornecimento de energia: acampamentos, pescarias, casas de praia ou de campo mais afastadas. 


Você vai poder iluminar vários ambientes e realizar atividades como cozinhar, tomar banho, jogar cartas, ler ou realizar outras atividades com facilidade, por um longo tempo e sem precisar depender de velas.


Além disso, há modelos que possuem alça retrátil que possibilita a utilização do produto como uma lanterna. Ou seja, você pode fazer trilhas ou caminhadas em locais mais escuros com mais segurança.

 


Quanto tempo dura


A luz de emergência possui bateria interna recarregável, sendo acionada quando falta iluminação elétrica no ambiente. Conectada na tomada, ela só acende quando há interrupção de energia e possui dois níveis de iluminação: mínimo e máximo.


Uma luminária de emergência de LED possui vida útil muito superior que a de uma lâmpada fluorescente compacta. É importante conferir o tempo de carga de bateria indicado na embalagem ou no manual do equipamento, mas em média uma luz de emergência de LED mantém acesa por 3h em posição máxima. É um tempo razoável para efetuar uma evacuação, por exemplo.

 


Como instalar 


Na hora de instalar a luz de emergência é recomendada a escolha de um posicionamento alto, para evitar que alguém mexa na chave seletora do nível de iluminação, principalmente crianças. É também mais interessante e seguro que a luminária de emergência fique fixa na parede, evitando que ela caia no chão ou que as pessoas esbarrem nela.


Para fazer a instalação da forma correta, deve-se  colocar a luminária de emergência no local desejado, apagar as luzes do ambiente e deixar apenas a luminária acesa. O teste pode ser feito visualmente ou com taxímetro. Assim que a luminária de emergência aplicada atender às exigências do local, a parede deverá ser furada para sua colocação definitiva.


Este procedimento deve considerar a planta do local, para que ao furar a parede nenhuma fiação ou cano seja danificado. Em empresas, consulte a equipe de manutenção para ajudar nesta tarefa. 

 


A manutenção 

 


Tão importante quanto escolher a melhor solução para a iluminação de emergência é cuidar da sua manutenção. Seja de que tipo for, o sistema de iluminação de emergência, sua manutenção deve ser feita mensalmente, fazendo parte daquele pacote de manutenções preventivas programadas. 


Na manutenção é feita uma descarga das baterias e testes para a verificação do perfeito funcionamento destas e também se existem lâmpadas queimadas. Caso se perceba, na manutenção, que as baterias estão tendo tempo de carga inferior à uma hora, é importante que se faça a substituição ou conserto do equipamento.


No caso do sistema centralizado, o qual é bastante utilizado nos condomínios, a central fica ligada a um banco de baterias, normalmente automotivas. Para realizar a manutenção, é necessário desligar a alimentação de energia e as luzes de emergência devem ficar ligadas por pelo menos uma hora. Neste tipo de sistema, se uma das baterias apresentar problema e isto não for identificado, poderá comprometer todo o banco, levando prejuízo para o condomínio.


Vale lembrar também que por ser considerada um equipamento de segurança, a luz de emergência deve ser testada a cada três meses. Para isso é importante saber que:

  •  Se entre 2 e 3 meses a luz de emergência não foi usada, é recomendado que você desligue o aparelho da tomada (simulando uma queda de energia) e deixe que a bateria descarregue completamente, até que a luz apague, carregando novamente em seguida.
  •  Se a luz foi acionada, providencie o carregamento logo que puder, após a situação de falta de energia.

 

 

Normas e Técnicas Emergenciais


O que muita gente não sabe é que há normas para a instalação e uso de luminária de emergência. As regras são definidas tanto pela ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), como pelo Corpo de Bombeiros.


Os regulamentos indicam onde as luminárias devem ficar, a intensidade de luminosidade g
erada, a distância entre as luminárias e outros detalhes. Seguir todas as nomenclaturas é necessário, uma vez que elas fazem parte do plano de prevenção e contenção de incêndio.

 

Selecionamos algumas das normas estabelecidas pelo Corpo de Bombeiro:


5.4.1.1 A distância máxima entre os pontos de iluminação de emergência de aclaramento não deve ultrapassar 15 m e entre o ponto de iluminação e a parede 7,5 m. Outro distanciamento entre pontos pode ser adotado, desde que atenda nos parâmetros da NBR 10898.


4.7.1 As luminárias para a iluminação de emergência, além de satisfazer esta Norma e outras normas pertinentes, devem obedecer aos seguintes requisitos:


4.7.1.1 Resistência ao calor: os aparelhos devem ser construídos de forma que, no ensaio de temperatura a 70°C, a luminária funcione no mínimo por 1 h.


4.7.1.2 Ausência de ofuscamento: os pontos de luz não devem ser resplandecentes, seja diretamente ou por iluminação refletida.


4.7.1.2.1 Quando o ponto de luz for ofuscante, deve ser utilizado um anteparo translúcido de forma a evitar o ofuscamento nas pessoas durante seu deslocamento. A variação da intensidade de iluminação não pode ser superior ao valor de 20:1.


Todas essas normas garantem que, em casos de emergência (incêndio), as pessoas possam visualizar as saídas emergenciais.


Gostou de saber um pouco mais sobre a luminária de emergência? Curta nossa página no facebook e compartilhe essa informação com outras pessoas.

Deixe um Comentário